Os suplementos com levedura de selénio e Q10 melhoram a função renal

Os suplementos com levedura de selénio e Q10 melhoram a função renalO rim efectua a depuração do sangue. O bom funcionamento do rim é vital para o sistema circulatório e para a saúde em geral. O funcionamento normal das células, incluindo as células renais, depende de uma série de proteínas que contêm selénio e da coenzima Q10. Os estudos mostram que as pessoas mais velhas em muitas regiões do mundo, Europa incluída, têm insuficiência de ambas as substâncias. Daí que uma equipa de cientistas suecos tenha realizado um estudo em que investigaram a concentração de selénio e a função renal num grupo de idosos. Os participantes receberam levedura de selénio e coenzima Q10 ou placebo, durante um período de quatro anos. Os resultados mostraram que o grupo que recebeu suplementos apresentava melhor função renal, segundo vários parâmetros, comparativamente ao grupo de placebo. O efeito positivo no metabolismo energético celular, na inflamação e no stress oxidativo foi atribuído aos dois suplementos. O estudo está publicado na revista científica Nutrients.

O rim elimina resíduos e toxinas do sangue, por exemplo, as substâncias tóxicas dos medicamentos. O rim tem muitas outras funções, incluindo regular o equilíbrio hidroelectrolítico e o pH no organismo. O rim é ainda responsável por produzir hormonas, como a renina, que regula a tensão arterial, e a eritropoietina, que ajuda a sintetizar os eritrócitos. É por isso que o rim é, em muitos aspectos, vital para a saúde.
Quando a doença renal é moderada, pode até passar despercebida. Todavia, aumenta o risco de doenças do coração e do sistema cardiovascular, como seja aterosclerose e coágulos sanguíneos. A insuficiência cardíaca crónica apenas surge em algumas pessoas com doença renal crónica. Dada a estreita relação entre função renal, função cardíaca e função cardiovascular, a medicina usa o termo síndrome cardiorrenal.
Sucede que as doenças cardiovasculares e as doenças renais caracterizam-se por inflamação crónica. Além disso, observa-se inflamação nas fases iniciais da disfunção renal, e esta inflamação pode provocar o aparecimento de problemas renais, razão pela qual a inflamação produz radicais livres. Estes são moléculas agressivas que provocam reacções em cadeia que podem causar lesão de células e tecidos. A única fonte de protecção contra os radicais livres é a presença de vários antioxidantes, em que o selénio e a coenzima Q10 têm um papel primordial.
Contudo, se houver falta de antioxidantes, aumenta o risco de stress oxidativo, ou seja, desequilíbrio entre radicais livres e antioxidantes. Há, por isso, estreita relação entre inflamação crónica e stress oxidativo, uma situação muito nociva

Dados sobre as funções do rim:

  • O rim filtra os resíduos do sangue, conservando os nutrientes
  • O rim regula o balanço hídrico e de sódio e a tensão arterial
  • O rim mantém o pH do organismo estável
  • O rim ajuda a produzir hormonas importantes
  • O rim estimula a vitamina D

As funções importantes do selénio e o seu papel no rim e no sistema circulatório

O selénio favorece cerca de 30 enzimas que contêm selénio (selenoproteínas) que são primordiais para renovação energética, processos metabólicos, defesas imunitárias, fertilidade, entre outros. O selénio também favorece os antioxidantes GPX fundamentais, que protegem as células e os tecidos contra o stress oxidativo provocado pelos radicais livres. Os estudos mostram que o selénio protege o rim contra lesão tóxica causada por mercúrio, cádmio, chumbo, e por quimioterapia com a substância cisplatina.
É na glândula tiróide e no rim que se encontram as maiores concentrações de selénio, mas a concentração de selénio em doentes renais é inferior à de pessoas saudáveis. Observou-se, em ratinhos, que a insuficiência de selénio provoca lesão do rim devida a stress oxidativo e lesão das mitocôndrias, que são as pequeníssimas centrais eléctricas que produzem energia no interior das nossas células.
É sabido que um nível baixo de selénio aumenta o risco de doença cardiovascular. O solo agrícola de vastas regiões do mundo é pobre em selénio e isso reflecte-se em toda a cadeia alimentar. Pensa-se que cerca de mil milhões de pessoas em todo o mundo têm deficiência de selénio. Na Europa, o aporte médio de selénio é bem inferior a 50 microgramas por dia, o que é excessivamente pouco. Segundo os estudos, precisamos de cerca de 100 microgramas de selénio por dia, ou mais, para saturar devidamente a selenoproteína P, que é usada como um marcador da concentração de selénio no sangue.

As funções importantes do Q10 e o seu papel na função renal e no sistema circulatório

O Q10 é extremamente importante para a renovação energética celular que tem lugar no interior das mitocôndrias. É no interior destas centrais energéticas que o Q10 integra a chamada cadeia de transporte de electrões. Depois de extraída, a energia é armazenada em forma molecular como ATP (adenosina trifosfato). Com a ajuda do Q10, as células estão em condições de degradar a ATP e libertar a energia retida no seu interior. Esta energia é usada, por exemplo, para contracções musculares e função renal.
O Q10 também é um antioxidante lipossolúvel que protege as células e o colesterol contra os radicais livres e o stress oxidativo.
O Q10 apresenta-se em duas formas. A tioredoxina redutase 1, uma das muitas selenoproteínas, é é necessária para que o Q10 consiga alternar entre uma forma e outra.
Por outras palavras, há uma interacção crucial entre Q10 e selénio que é determinante para função celular normal e boa saúde.
O ser humano produz a maior parte do seu próprio Q10, mas a síntese endógena da substância começa a diminuir com a idade. O teor de Q10 no coração de uma pessoa de 80 anos é cerca de metade do que se observa numa pessoa com cerca de 20 anos.

Formas de avaliar a função renal

  • A creatinina é usada para avaliar a função renal em pessoas saudáveis e pessoas com suspeita de insuficiência renal. A creatinina é produzida pelos músculos por degradação de um composto chamado creatin
  • A cistatina C é usada para avaliar a taxa de filtração do rim. Neste caso, a creatinina não é muito adequada (por exemplo, em crianças e pessoas com pouca massa muscular)
  • A TFG (Taxa de Filtração Glomerular) é usada para verificar se o rim está a funcionar bem. Avalia a quantidade de sangue que atravessa os glomérulos por minuto. Os glomérulos são pequenos filtros no rim que filtram os resíduos do sangue. A TFG está dependente da constituição física

Os suplementos de selénio e Q10 melhoram a função renal segundo vários parâmetros

O médico-chefe e cardiologista Urban Alehagen, da Universidade de Linköping, na Suécia, coordenou o novo estudo. O Dr. Alehagen admitiu a hipótese de os suplementos de selénio e Q10 terem um impacto positivo na função renal de pessoas de mais idade em regiões com terrenos de cultivo pobres em selénio, onde, por isso mesmo, a insuficiência de selénio é mais comum.
A equipa de cientistas começou por analisar a relação entre concentração de selénio e níveis de creatinina em 589 homens e mulheres idosos. Mais tarde, 215 destes indivíduos participaram num estudo controlado com placebo, duplamente cego e aleatório. A média de idades era de 71 anos.
Ab initio, todos os participantes tinham baixa concentração de selénio no sangue. A função renal foi avaliada utilizando creatinina, cistatina C, TFG e outras técnicas de ponta.
Um grupo recebeu 200 microgramas de levedura de selénio e 200 mg de Q10 todos os dia, ao passo que o outro grupo recebeu placebo correspondente. A função renal foi avaliada ab initio e após 48 meses. O estudo foi avaliado ao fim de, aproximadamente, cinco anos.
Os cientistas observaram manifesta ligação entre selénio baixo e função renal comprometida. Observaram ainda que os suplementos de levedura de selénio e Q10 originaram melhoria significativa da função renal relativamente a creatinina, cistatina C, TFG e outras variáveis. Os investigadores admitem que os dois compostos têm acção positiva na função renal ao reduzir a inflamação e o stress oxidativo.

Q10 e selénio podem igualmente melhorar a função cardíaca e diminuir a mortalidade

Durante muitos anos, Urban Alehagen fez investigação com Q10 e selénio. Devido às suas funções como cardiologista, concentrou-se sobretudo nestes dois compostos e respectivo papel na prevenção de doenças cardiovasculares. No estudo inovador KiSel-10, que o Dr. Alehagen também coordenou, os participantes mais velhos receberam placebo ou suplementos diários com 200 microgramas de levedura de selénio e 200 mg de Q10. Tanto o selénio como o Q10 eram produtos de qualidade farmacêutica. O estudo durou cinco anos e mostrou que o grupo que recebeu suplemento apresentava taxa de mortalidade cardiovascular 54 por cento inferior e taxa de internamento substancialmente inferior. Estudos de seguimento, respectivamente após 10 e 12 anos, confirmaram que os suplementos de Q10 e selénio têm efeito apreciável de longa duração no sistema cardiovascular, na função cardíaca e na esperança de vida.

Referências bibliográficas:

Urban Alehagen et al. Selenium and Coenzyme Q 10 Supplementation Improves renal Function in Elderly deficient in Selenium: Observational Results and Results from a Subgroup Analysis of Prospective Randomised Double-Blind Placebo-Controlled trial. Nutrients. December 2020

Alehagen U et al. reduced Cardiovascular Mortality 10 Years after Supplementation with Selenium and Coenzyme Q10 for four years. Follow-Up Results of a Prospective Randomized Double-Blind Placebo-Controlled trial in Elderly Citizens. PLoS One 2015

Urban Alehagen et al. Still reduced cardiovascular mortality 12 years after supplementation with selenium and coenzyme Q10 for four years. A validation of previous 10-years follow-up results of a prospective randomized double-blind placebo-controlled trial in elderly. PLOS ONE 2018

Mais informação...

Mais informação...

 

 

 



Clique aqui para saber mais sobre selénio

 

 

 

healthandscience.eu

Simmerstedvej 201
DK 6100 Haderslev
CVR DK17643347